Sonhar não custa nada!

Um jogo frio e sem graça de um domingo ensolarado.Me parece que as duas equipes não queriam arriscar muito, deixando o jogo desinteresse e as jogadas que pareciam ter maior emoção acabavam não dando em nada.Nossa defesa cada vez mais pobre e inocente, insiste em esperar os adversários pensarem o que fazer com a bola, já sofremos no passado e vamos continuar sofrendo é só esperar um time com maior qualidade.Naigollan e Koralov foram bem demais no jogo, o primeiro com bons desarmes e o segundo com uma boa marcação, induzindo o adversário ao erro e uma finalização que nos coroou os 3 pontos. Vamos com cautela, pois sempre que sonhamos como boas novas acabamos nos decepcionando, mas não custa nada. Forza Roma!

Síntese: Gazzetta dello Sport

Torino-Roma 0-1: decide um gol de Kolarov em cobrança de falta. Granata bem organizados. Mas não basta. Jogo decidido em uma cobrança obra-prima do ex-pupilo de Mihajlovic. Os giallorossi recomeçam depois da derrota com Napoli

Por: Andrea Pugliese

Mais uma vez Kolarov, e novamente uma doce pincelada do sérvio em cobrança de falta, ainda por assim dizer com a cumplicidade de Sirigu. A Roma bate assim o Grande Torino, leva pra casa a décima primeira vitória consecutivo fora de casa e iguala o recorde absoluto de Roberto Mancini (edição 2006/07). Para Di Francesco, porém interessa outro, isto é, ter conseguido uma vitória que lhe permite recuperar os pontos sobre Napoli e Inter. Para o Torino, ao contrário, continua o momento não, com a vitoria que falta há 4 turnos já e uma inconsistência ofensiva que faz entender como sem Belotti as soluções são realmente poucas.

DEFESA E CONTRA-ATAQUES - Mihajlovic confirma as previsões das vésperas e o 4-2-3-1 de Crotone, com Lijaic as costas de Sadiq, Rincon e Baselli na linha mediana. Di Francesco, ao contrário, manda Nainggolan para ajudar o tridente de ataque na direita, mesmo se o belga joga mais recuado atipicamente: mais próximo de Dzeko, quase que como um meia atacante. Um pouco daquilo que Di Francesco está estudando para Schick, para mantê-lo mais compacto ao time. Jogando assim Nainggolan de fato libera expressivamente a faixa para as sobreposições de Florenzi ou as inserções de Pellegrini, enquanto da outra parte tem um Toro mais remissivo do de costumes e propenso na maioria das vezes prostrado em fase defensiva do que na frente, com Iago e Niang esmagados sob a linha dos dois medianos (Rincoc e Baselli) e uma equipe que se fixa nos contra-ataques (sobretudo com Niang). Vem a tona uma partida contrastada, no qual os espaços não abundam e no qual a Roma, não obstante uma evidente supremacia territorial, no primeiro tempo não consegue jamais ser perigosa. O primeiro susto vem apenas aos 23 minutos, quando em uma cabeçada de Dzeko em assistência de Pellegrini acaba na direita de Sirigu. Depois as tentativas são de fora (em vão) Nainggolan e Florenzi, enquanto o Torino se ascende apenas no final do tempo: primeiro é Moreno (no inicio) a fechar bem a escapada de Sadiq, podeis o próprio centro-avante nigeriano a mandar para os ares uma das poucas instituições de Ljajic, enfim Jesu remedia a um seu erro e salva no corpo a corpo. Aos 44 minutos o ultimo suspiro, com Strootman que não chega para fechar no segundo pau um escanteio bem delineado de Kolarov. Mais em geral um no Torino se distingue um De Silvestri atrás, mas se sente de morre a ausência de Belotti (Sadiq prova lutar, mas não tem uma bola única e erra de fato tudo), na Roma falta, ao contrário, a faísca que ascenda o pavio.

A PINCELADA - No segundo tempo desliza incialmente sob uma falsa linha do primeiro tempo, com a Roma buscando fazer uma partida sem ideias destacadas e o Torino buscando cercar os espaços para fazer mal nos contra-pés. Assim prova primeiro Nainggolan na corrida e De Rossi de fora, mas ambas conclusões são de se esquecer. Aos 18’ Strootman desperdiça um bom contra-ataque e acaba brigando literalmente com Dzeko, que evidentemente havia lhe dito alguma coisa pelo passe não realizado. Aos 24’ porém a roma passa e a tirar as castanhas do fogo para os giallorossi é mais uma vez Kolarov: falta de De Silvestri sobre El Shaarawy, em cobrança dos vinte metros do lateral sérvio que surpreende Sirigu e consente a vantagem aos giallorossi com uma doce pincelada. Assim Mihajlovic tenta embaralhar as cartas com os ingressos de Boyè e Valdifiori, mas a manobra granata não é que ajude muito. Ao contrário. A quase ampliar por um sopro é a Roma em pleno acréscimos, com uma jogada individual de Bruno Peres (recém entrado) desviado para escanteio por Sirigu. Termina assim, com a Roma que comemora a décima primeira vitória fora de casa consecutiva e o Torino que alonga sua marca negativa.

@Puglio11

TORINO(4231): Sirigu; De Silvestri, N'Koulou, Moretti, Molinaro (65' Barreca); Baselli (82'Valdifiori), Rincon; Falque, Ljajic, Niang (84' Boyè); Sadiq. A disp.: Ichazo, Milinkovic-Savic, Burdisso, Bonifazi, Acquah, Gustafson, Berenguer, Edera, De Luca. Téc.: Mihajlovic

ROMA (4312):Alisson, Florenzi(Bruno Peres 86'), Moreno, Juan Jesus, Kolarov, Pellegrini(Under 63'), De Rossi, Strootman, Nainggolan, El Shaarawy(Perotti 80'), Dzeko

Cartões: Niang, Alisson

F I C H A
  • TORINO 0-1 ROMA


    Árbitro: Antonio Damato (Barletta)
    Acréscimos: 1'pt e 3'st
    Escanteios: 5 a 0 para a Roma
    Público: 17.000


    info@portaleromanista.org


© 2004 PORTALE ROMANISTA BRASIL UMA FÉ QUE NUNCA TEM FIM