Duas Romas em um só jogo

Di Francesco matou a Udinese em 1 etapa genialmente. Dzeko, aproveitou a luta do ninja contra 4 e guardou. Um susto aos 28' quase custou o empate; Maxi Lopez parou no sensacional Alisson. Logo em seguida o castigo. Jogada linda de Dzeko na esquerda e cruzamento para El Shaarawy ampliar. Ele marcaria o 3º, com a ajuda da trapalhada da zaga da Udinese. No segundo tempo a Roma ainda mostrava fome, mas o fôlego acabou após os 65'. Entraram Defrel,Peres e Moreno. Saíram Dzeko, Florenzi e Kolarov. Acaba aí para Roma. Bola pra lá e pra cá. Chances claras para Defrel e Perotti (pênalti ñ convertido) desperdiçadas. Um 5-0 se tornou um 3-1, com apagão da zaga. Alisson ainda fez 2 boas defesas no 2º tempo e sentiu seu travessão balançar. Outra vitória sem esforço de 2 times em 1, um incrível outro sofrível. Fica a apreensão para rodadas contra adversários mais cascudos, sem falar de jogos da UCL. Destaques positivos: Alisson, El Shaarawy e, novamente, Dzeko. Negativos: Defrel e Bruno Peres. E segue o baile...

Síntese: Gazzetta dello Sport

Roma-Udinese 3-1: Dzeko e El Shaarawy marcam. No jogo de abertura da rodada o bósnio abre baile antes da “doppietta” de El Shaarawy. Primeiro erro da marca do pênalti na A para Perotti, Larsen marca o gol da bandeira. Roma a quota 12, friulanos ainda na lona, a quinta nas primeiras seis rodadas.

Por: Andrea Pugliese

A Roma encaixa a terceira vitória consecutiva e prossegue na sua escalada nas posições que contam. Parida encerrada no primeiro tempo, onde os giallorossi colocaram a mostra qualidade e peso, com um El Shaarawy decisivo não apenas pelos dois gols, mas também porque estava dentro da partida em cada situação tática. Delneri, ao contrário, erra a postura no primeiro tempo, para depois reequilibrar na segundo com as inserções de Fofana e Pezzella. Mas não basta, mesmo se a Roma nesta etapa final pena, economizando recursos e energias em vista da Champions.

DOMINIO GIALLOROSSO - Di Francesco manda em campo El Shaarawy no lugar de Defrel (não muito bem por causa do problema no tornozelo) e em relação a Benevento recoloca Manolas, Florenzi, De Rossi e Nainggolan. Delneri, ao contrário, deixa de lado Scuffet e confia em Bizzarri, apostando desta vez em um 4-4-2 mais linear e homogêneo. Pelo menos no papel, porque depois em campo não aparece jamais ter entrado em campo. Os friulanos se mostram perigosos logo no inicio da partida com apenas 20 segundos (diagonal colado para escanteio), depois é tudo um monólogo gialorosso. Dzeko (cara a cara com Bizarrias) abre o baile depois de uma ação insistida por Nainggolan entre três adversários, depois busca o biz - em vão - em outras várias circunstancias. Então a Udinese tem a chance do empate, mas Maxi Lopez desperdiça muito mal sobre Alisson sugestão valiosa de De Paul. Depois pensa El Shaarawy a fechar a partida antes do intervalo: os 2 a 0 chega com um cuidado na ponta esquerda em assist de Dzeko. O 3 a 0 aproveitand-se de um desastre embaraçoso de Larsen, que erra a medida do recuo para Bizarri e deixa para o Faraó giallorosso a bola que quita definitivamente o match.

MAIS EQUILÍBRIO - O segundo tempo é obviamente uma partida muito diferente, com a Roma que não pisa no acelerador um pouco pelo grande calor e também porque no horizonte existe a massacrante Champions no Azerbaijão (mesmo se contra o modesto Qarabag). Assim a Udinese tenta também construir alguma coisa com Pezzella (recém entrado), aproveitando-se também das qualidades no meio com a entrada de Fofana. A chegar próximo do gol, aos nove minutos, é Larsen, depois de uma bela descida do próprio Pezzella. Da outra parte, então, é mais uma vez Dzeko a buscar o caminho do gol. A Udinese agora se defende melhor, graças a um 5-3-1-1 que vê isolado De Paul em apoio e Maxi Lopez. Assim os friulanos chegam quase ao gol por duas ocasiões: primeiro é Alisson perfeito sobre Bajiic de dentro da área, depois no desenrolar do escanteio sucessivo Nuytinck não tem sorte, com sua cabeçada que acaba no travessão. No meio tempo Di Francesco coloca em campo Defrel, pela primeira vez como centro avante (como no primeiro tempo do amistoso de Vigo). E aos 37’ é justo o francês a falhar nos 4 a 0 cara a cara com Bizarri. Aos 42 minutos Perotti desaba exatamente como no jogo contra Inter no episódio Skriniar. A ação é idêntica, a falta também. Desta vez porém o pênalti foi marcado, mas o próprio Perotti o cobra na trave. Assim a marcar aos 45’ é a Udinese com Larsen: lançamento de Nuytinck, Larsen corta pelas costas em contrapé Moreno e supera Alisson no cara a cara. Acaba assim, com a Roma pensando na partida da Champions já e a Udinese interrogando-se sobre qual seja o melhor pegada daqui por diante.

@Puglio11

ROMA (433):Alisson, Florenzi(Bruno Peres 78'), Manolas, Fazio, Kolarov(Moreno 74'), Nainggolan, De Rossi, Strootman, El Shaarawy, Dzeko(Defrel 71'), Perotti

UDINESE(442):Bizzarri, Larsen,Angella, Nuytinck, Samir, De Paul (25'st Bajic), Behrami, Barak (6'st Fofana), Jankto, Lasagna (1' st Pezzella), Maxi Lopez. A disp. Scuffet, Borsellini, Matos, Ingelsson, Hallfredsson, Ali Adnan, Bochniewicz, Ewandro, Balic. Téc.: Del Neri.

Cartões: Maxi Lopez

F I C H A
  • ROMA 3-1 UDINESE


    Árbitro: Davide Massa (Imperia)
    Acréscimos: 1'pt e 2'st
    Escanteios: 8 a 5 para a Roma
    Público: 32.457


    info@portaleromanista.org


© 2004 PORTALE ROMANISTA BRASIL UMA FÉ QUE NUNCA TEM FIM