Coadjuvantes, mas a mídia quer a Tríplice Coroa

Nova temporada, novo projeto. Tem sido assim nos últimos dez anos. O que mudou? Como disse DDR, esse é o primeiro ano em que não somos considerados campeões em agosto. O que manteve? Permanece o problema com a mídia romana, sempre pronta a criar distúrbio desde de julho. Viemos para este jogo com um resultado discutível; para muitos um empate com um time que foi para 2 finais de UCL em 4 anos foi uma vitória, para outros e mídia um placar que dever ser o início do fim da era Di Francesco. Contra o Verona, a Magica ditou o ritmo. Jogadores que tiveram sua oportunidade; El Shaarawi, Pelegrini, Fazio e Under, foram bem e candidatos fortes a titularidade. 3 a 0, mas poderia ser mais. Espero que mídia possa dar paz, que não crie problemas insistindo com jogadores que não estão bem, como o louco Zeman, ou crie discussões inúteis todas as semanas, como Spalletti. A expectativa é de uma temporada como coadjuvantes, que os Deuses olhem por nós e possamos surpreender.

Síntese: Gazzetta dello Sport

Roma, é um passeio biz de Dzeko: 3 a 0 no Verona. Nainggolan abre, biz do bósnio. Di Francesco lança Under e Schik e reencontra um ótimo Florenzi.

Por: Andrea Pugliese

A Roma despacha um modestíssimo Verona por 3 a 0, goza do primeiro biz da temporada de Edin Dzeko (logo após as polêmicas da Champions) e descobre recursos importantes também em Pellegrini e Under, dois dos vultos melhores do turnover colocados em campo por Di Francesco. O Verona? Muito mal, quase nulo. Pecchia se suicida mais uma vez deixando de fora Pazzini e Verde, os únicos capazes de fazer algo na partida quando entraram, no segundo tempo. Contas feitas vitória larga e justa dos giallorossi e um mar de ressentimentos para os venetos, que com estes três gols chegam a onze sofridos em apenas quatro partidas. Tem muito que se rever. E correndo.

DOMÍNIO - Di Francesco manda dentro Fazio, Under, Pellegrini e El Shaarawye de surpresa confirma De Rossi no comando. A Roma reencontra depois Florenzi depois de quase onze meses, de retorno pela primeira vez em um jogo oficial depois da dupla lesão no joelho esquerdo. Pecchia lança pela primeira vez Kean do inicio. A fazer a partida, porém, foram os giallorossi, do inicio ao fim. Pellegrini parece muito mais preparado que Strootman e com Florenzi e Under na direita compõe uma cadeia que libera energia e frescor. E justo daquelas partes chegam um pouco todos os perigos para os venetos, a começar pela direita em velocidade por Pellegrini (3’) um pouco alto. Depois Dzeko confecciona sozinho muito bem em duas ocasiões, desperdiçando porém muito mal em ambos os casos (a primeira tropeçando na bola, a segunda chutando sobre Nicolas na saída). Depois Florenzi a se fazer perigoso e justo quando sobre o estádio Olímpico se abate um esperado diluvio, chega a vantagem giallorossa: Dzeko recupera uma bola na meia cancha de ataque, serve centralmente para El Shaarawy que vê o avanço central de trás de Nainggolan, bravo na corrida a queimar Nicolas. Uma vez em vantagem, é tudo mais simples, inclusive o 2 a 0, mérito de um joia de Florenzi que salta Valoti (em um desesperado reposicionamento defensivo) e presenteia a Dzeko um chocolatinho de desembrulhar e ensacar de cabeça.

SENSO UNICO - O segundo tempo se joga substancialmente sobre o mesmo tom do primeiro, com a Roma a fazer a partida e o Verona quase sparring partner. Kolarov chega perto do gol em uma cobrança de falta, e depois é Nainggolan a confeccionar uma bela assistência de cabeça para o reboque de trás de El Shaarawy (chute de fora defendido). Assim aos 16’ chega também o 3 a 0, com uma pincelada de Kolarov da faixa para Dzeko, que de carrinho cara a cara com Nicolas não erra. A partida então está concluída, chega a expulsão de Souprayen, que toma o segundo amarelo em uma chegada em claro retardo sobre Pellegrini. E então é o ótimo Under aos 22’ a chegar próximo do poker, pescado bem no espaço por Dzeko. Aos 29’ Pazzini (recém entrado) marca o gol da bandeira, mas Pairetto anula por um justo impedimento. Depois tem espaço para a estréia absoluta de Schick e Morena. Pouco depois um monte de desperdícios de El Shaarawy.

@Puglio11

ROMA (433):Alisson, Florenzi, Manolas(Moreno 79'), Fazio, Kolarov, Nainggolan(Gerson 76'), De Rossi, Pellegrini, Under(Schick 75'), Dzeko, El Shaarawy

VERONA(433): Nicolas, Caceres, Ferrari, Heurtaux, Souprayen, Romulo, Zuculini (30′ st Fossati), Buchel (14′ st Verde), Bessa, Kean (19′ Pazzini), Valoti (17 Silvestri, 40 F. Coppola, 12 An. Caracciolo, 4 Laner, 20 Zaccagni, 21 Lee, 37 Bearzotti). Tec.: Pecchi

Cartões: Souprayen, Valoti e De Rossi (amarelo). Souprayen, expulso aos 76’ (segundo amarelo)

Cartões: Souprayen, Valoti e De Rossi (amarelo). Souprayen, expulso aos 76’ (segundo amarelo)

F I C H A
  • ROMA 3-0 VERONA


    Árbitro: Luca Pairetto (Nichellino)
    Acréscimos: 1'pt e 2'st
    Escanteios: 6 a 1 para a Roma
    Público: 29.045


    info@portaleromanista.org


© 2004 PORTALE ROMANISTA BRASIL UMA FÉ QUE NUNCA TEM FIM