Campeonato Romano Da esq.: Jacobini, Krieziu, Milano, Cozzolini, Masetti, Matteini (inclinado), Amadei e Pastori; Agachados: Borsetti, Salvioli e Andreoli.

Não houve Campeonato Italiano em 1943/44. Por conta da Guerra, eram escassos os recursos para organização geral e individual das equipes, além da natural debandada de muitos jogadores e dirigentes. No caso da Roma, por exemplo, Pantò retornou para a Argentina e Coscia foi para Milão, sua cidade natal. O técnico Alfred Schaffer já tinha se reunido à família durante a temporada anterior, e até o ex-presidente Renato Sacerdoti já havia precisado fugir, por ter origem judaica. O período entre 1943 e 1945 foi apenas o estopim da luta, com a invasão e eventual vitória dos Aliados. Donatti, Ippoliti, Risorti, Brunella e muitos outros também tiveram que deixar a capital. O futebol não era prioridade, nem deveria ser.

Entretanto, o esporte tem a bonita e perigosa mania de continuar existindo, o eterno oxímoro que é a teimosia dos amantes do futebol em praticá-lo e se importar com ele mesmo nos piores momentos. A federação liberou todos os clubes de suas obrigações esportivas e financeiras, e a Roma passou a funcionar de forma cooperativa, com o dia-a-dia basicamente organizado por Vincenzo Biancone. O tempo passava e, com a impossibilidade de se organizar uma competição nacional, o ex-deputado Pietro Baldassare – que meses depois assumiria a presidência da Roma – se encarrega, entre outros, de organizar um Campeonato Romano. O técnico giallorosso seria ninguém menos que Guido Masetti.

Enquanto o campeonato tomava forma (teve início apenas em dezembro), a Roma ainda lidava com as consequências da semifinal da Coppa Italia na temporada anterior. A princípio, o clube paga uma multa e Amadei também, mas depois, já no início de 1944, veio a notícia: o artilheiro romanista estava suspenso da prática do futebol pela vida toda. Àquela altura, ele já havia feito absurdos 13 gols e a competição sequer estava na metade. Eram dez equipes se enfrentando em partidas de ida e volta, em geral realizadas no Stadio Nazionale, no Motovelodromo Appio ou no Stadio della Rondinella. Mesmo sem seu artilheiro, a Roma faz uma ótima campanha, como deveria – afinal, as outras equipes, em sua maioria, foram formadas às pressas especificamente para aquele campeonato. A Roma coletou, por exemplo, goleadas de 8 a 1 (Elettronica), 7 a 1 (Trastevere), 6 a 1 (Avia), 5 a 0 (Elettronica), 6 a 2 (Alba) e 4 a 0 (Trastevere).

Como era de se esperar, Roma e Lazio lideram a competição e terminam a primeira fase invictas. Nas rodadas finais, cerca de cinco meses após sua suspensão, Amadei voltara em grande estilo: com uma tripletta, fechando sua contagem de gols em dezesseis na competição. Entretanto, esse não era o planejado. Originalmente, o campeonato previa uma disputa pelo título em mata-mata entre os quatro primeiros colocados, mas o Diretório da região do Lácio desistiu de organizar as semifinais, consagrando a Lazio como campeã, já que os biancocelesti ficaram um ponto à frente da Roma na classificação.

Em junho de 1944, a própria Roma, mesmo em extrema dificuldade financeira, tomou para si a organização e realização do quadrangular previamente acordado, que, em meio a toda a controvérsia, ficou configurado como um torneio diferente. A Lazio encarou o Tirrenia em uma semifinal e perdeu por 4 a 2, enquanto a Roma destruiu a MATER com um categórico 7 a 3. Na final, Roma e Tirrenia se enfrentaram e não houve dúvidas: 4 a 0 para os giallorossi com três de Amadei, consagrando o ídolo que injustamente havia desfalcado a equipe por quase seis meses.

@gioguerreiro

1942/43 1944/45


F I C H A
  • 1943/44


    Campeonato Romano: Vice Campeã

    Vitórias: 13
    Empates: 5
    Derrotas: 0

    Amadei: 16 gols
    Krieziu: 11 gols
    Cozzolini, Forlivesi : 9 gols
    Borsetti: 5 gols
    Schiavetti: 4 gols
    Fusco, Andreoli: 2 gols
    Roccasecca, Jacobini, Salvioli: 1 gol

    Quadrangular Romano

    Vitórias: 2
    Derrotas: 1

    Amadei: 4 gols
    Krieziu: 5 gols
    Schiavetti: 2 gols
    Cozzolini: 1 gol

    info@portaleromanista.org

© 2004 PORTALE ROMANISTA BRASIL UMA FÉ QUE NUNCA TEM FIM