Segunda rodada: Liguria 1-1 Roma, 19/09/1937

São novos tempos para a Roma. A presidência de Igino Betti é marcada pela austeridade financeira, tanto por questões ideológicas quanto pelas vagas magras do início da guerra. Dentro de campo, isso se vê na saída de jogadores úteis ou promissores, como Allemandi, Cattaneo e Di Benedetti, enquanto a maioria dos contratados eram apostas – com a exceção de Michelini, centroavante que vinha de grande temporada pela Lucchese.

O tempo revelaria, entretanto, que não foram nada más as apostas daquele mercado. Borsetti e Mascheroni assumem a titularidade e Donati, contratado após anos de banco no Bologna, torna-se um dos pilares do time. Além disso, as mudanças não eram apenas por motivos financeiros. O elenco certamente precisava de reformulação, após a décima colocação da temporada anterior, e o presidente Betti sabia disso. 1937/38 pode até mesmo ser considerada a stagione em que o time campeão de 1941/42 começou, de fato, a ser montado. No comando, Barbesino deu lugar para Guido Ara, bem-sucedido no Pro Vercelli.

E os louros eram mesmo para o futuro. Afinal, foi um ano sem muitas alegrias para os giallorossi, pelo menos em termos de disputas e conquistas. O time esteve longe de ser sofrível, mas também não ficou muito acima da mediocridade, experimentando os altos e baixos de sempre. Isso também passa, é claro, pela ausência do Campo Testaccio, que a partir de uma inspeção em novembro teve as tribunas declaradas “impróprias e perigosas” para receberem torcedores. Assim, durante a maior parte do campeonato a Roma fica longe de sua casa e divide o estádio do Partido Fascista (atual Flaminio) com a Lazio.

O time comçou bem, perdendo apenas um jogo nas oito primeiras rodadas, mas não iria durar. A Roma chegou a ser líder momentânea do campeonato, com vitórias importantes sobre Fiorentina (4 a 0), Napoli (2 a 1) e Lucchese (5 a 0), além de empate no dérbi (1 a 1). Michelini, Borsetti e Mascheroni se destacavam, como fizeram por boa parte da temporada, mesmo com um desempenho inconstante da equipe. Quando a Roma cai na real, após derrotas para Bari (que agora contava com Attilio Ferraris, por 2 a 0) e Milan (1 a 0), a gangorra fica clara: o time vence três em sequência para depois passar quase um mês sem triunfos.

Os batidos foram Juventus (2 a 1), Pontedera (3 a 1 na prorrogação, pela Coppa Italia) e Livorno (2 a 0). Depois, a Roma vira o ano de 1937 para 1938 em uma sequência de empates e derrotas, incluindo um 1 a 1 com a então líder Ambrosiana-Inter e a eliminação nas oitavas-de-final da Coppa, ante o Napoli, por 4 a 2 (também na prorrogação). O sonho de levar a Coppa fica pelo caminho novamente e a primeira vitória da Roma em 1938 vem já na segunda metade de janeiro, contra a Fiorentina (4 a 1). Pensar em título já é difícil.

Para um time com destaques ofensivos e que ainda girava em torno de Fulvio Bernardini, então com 32 anos, pode-se dizer que a Roma daquela temporada podia até ter sido pior. Mesmo em um segundo turno ainda mais inconsistente, o time foi capaz de produzir bons momentos, goleando a Fiorentina (4 a 1), vencendo Lazio (2 a 1) e Milan (3 a 1) e sendo a fiel da balança para a definição do scudetto, que era contestado por Ambrosiana-Inter e Juventus. Afinal, a vitória no turno e o empate no returno (0 a 0) com os bianconeri foram decisivos para que a Juve não fosse campeã mais uma vez. Infelizmente, é claro, uma derrota romanista para a Ambrosiana-Inter (1 a 0) na penúltima rodada selou a conquista dos nerazzurri.

A Roma? Sexta colocada. O mais perto que chegou de uma taça foi quando alguns de seus jogadores foram campeões mundiais pela Itália no verão de 1938. Mais do que nunca, o período era de reconstrução.

@gioguerreiro

1936/37 1938/39


F I C H A
  • 1937/38


    Campeonato: 6ª Posição

    Vitórias: 14
    Empates: 8
    Derrotas: 8

    Michelini : 16 gols
    Borsetti : 10 gols
    Mascheroni : 8 gols
    Subinaghi : 4 gols
    Serantoni : 2 gols
    De Grassi, Frisoni, Scaramelli: 1 gol

    Copa Itália: Oitavas de Final

    Vitórias: 1
    Derrotas: 1

    Michelini: 2 gols
    De Grassi,Borsetti,: 1 gol

    info@portaleromanista.org

© 2004 PORTALE ROMANISTA BRASIL UMA FÉ QUE NUNCA TEM FIM