23ª Rodada Roma 0-0 Pro Patria, 13/03/1932

Poucos dias após o fim da temporada 1930/31, a Roma inicia sua aventura de estreia em busca de um título internacional, disputando a Copa da Europa Central (conhecida como Copa Mitropa), primeira competição continental de clubes da Europa. O time começou bem, eliminando o Slavia Praga – cujo time seria a base da seleção tchecoslovaca vice-campeã mundial em 1934 – com um empate (1 a 1) fora de casa e uma vitória (2 a 1) em Testaccio; com Volk marcando em ambas as partidas. Foi apenas quando já estava classificada para a semifinal que a equipe teve descanso entre as temporadas, pois a competição fora retomada apenas em setembro.

Na semifinal, entretanto, a equipe giallorossa caiu com duas derrotas para o First Viena, tradicionalíssimo clube austríaco (o mais antigo do país) – que seria campeão da competição. À essa altura, o Campeonato Italiano já tinha começado. Antes do duelo contra os austríacos, a Roma havia batido o Modena em casa, e depois sofrera uma dura derrota para a Triestina, que lutou contra o rebaixamento, em Trieste. A base da equipe era a mesma do vice-campeonato na temporada anterior, mas o desempenho não; e o vestiário sofreu com isso.

A Roma terminou a temporada na terceira posição, sim, mas quatorze pontos atrás da dobradinha Juventus (campeã)/Bologna (vice), ambos com 54. A defesa foi apenas a quinta menos vazada e o ataque esteve longe de ser um dos mais prolíficos do campeonato. Ainda assim, o time teve bons momentos, batendo Milan e Lazio duas vezes, goleando Genoa e Casale e vencendo Napoli, Ambrosiana (atual Internazionale) e até mesmo a campeã Juventus – na quinta rodada, em Testaccio, Bernardini marcou os gols do triunfo por 2 a 0 sobre os bianconeri.

Entretanto, derrotas difíceis de engolir começaram a desgastar o ambiente giallorosso. Se já tinha começado na segunda rodada, contra a Triestina, o estopim veio em dois jogos consecutivos fora de casa, quando a Roma perdeu para Casale (1 a 0) e Fiorentina (3 a 1), resultados que decretaram a queda de Herbert Burgess. O treinador reserva – uma espécie de auxiliar, mas não nos mesmos moldes atuais – assumiu o comando da décima rodada do campeonato até o fim da temporada. Era o húngaro János Baar, até hoje o técnico mais jovem a chefiar a Roma, aos 32 anos.

De cara, o time de Baar vence dois jogos importantes em Testaccio, contra Napoli e Lazio, antes de perder para Ambrosiana e Torino. Dali em diante, o time costura uma sequência invicta que dura sete partidas, com seis vitórias. Era a calmaria antes da tempestade. A derrota em casa para a Alessandria enterra as chances de título e enfurece o presidente Sacerdoti, que decide multar os principais jogadores do time. Bernardini, Chini, Fasanelli e Ferraris não aceitam a punição, ausentam-se dos treinos e a crise está montada. O próximo jogo? Contra a Juventus em Turim.

Os últimos dois encontros tinham sido favoráveis aos romanistas: 2 a 0, no primeiro turno da própria temporada 1931/32, e aquele 5 a 0 do fim da temporada anterior, inesquecível para a Roma e na época ainda uma ferida aberta para a Juventus. Desmoralizada, a equipe da capital foi presa fácil e a Juventus precisou de apenas uma partida para basicamente devolver tudo. Após quinze minutos já estava 4 a 0, e os bianconeri venceram por 7 a 1. Sacerdoti, cada vez mais furioso, tentou aplicar uma suspensão de sete meses em Bernardini e dois meses em Ferraris, mas a federação interveio – os dois, em especial Ferraris, eram peças importantes na seleção italiana.

Os quatro senatori do elenco ainda ficaram de fora da próxima partida, contra o Pro Patria, mas três deles retornaram para mais uma derrota, frente ao Bologna. Fulvio Bernardini, entretanto, continuou no limbo por quase dois meses – e sem ele, a Roma venceu apenas um jogo. Após seu retorno, o time perdeu apenas um. Não era o fim dos desentendimentos entre o elenco e o presidente Sacerdoti, pois as rusgas de 1931/32 deixaram marcas na relação dele com alguns jogadores (em especial Attilio Ferraris). Mas isso é história para outras temporadas.

@gioguerreiro

1930/31 1932/33


F I C H A
  • 1930/31


    Campeonato: 3ª Posição

    Vitórias: 16

    Empates: 8

    Derrotas: 10


    Volk: 17 gols

    Costantino: 8 gols

    Fasanelli, Bernardini: 7 gols

    Chini : 6 gols

    Ferrari: 3 gols

    Eusebio,Lombardo, Bodini: 1 gol



    Copa da Europa Central: Semifinal

    Vitórias: 1

    Empates: 1

    Derrotas: 2


    Volk: 3 gols

    Costantino,Fasanelli, Chini: 1 gol

    info@portaleromanista.org

© 2004 PORTALE ROMANISTA BRASIL UMA FÉ QUE NUNCA TEM FIM