O futebol em Roma

Professor Cesare Tifi, goleiro e capitão da SG Roma

Na capital italiana, uma cidade de quase quatro milhões de habitantes, o futebol é um dos argumentos mais discutidos no dia a dia. Acreditamos seja o primeiro argumento, seguido a uma certa distância das questões políticas.

Pelo menos no que concerne a parte adulta da população masculina, é desde os anos trinta do século vinte que o futebol é o objeto mais amado em conversas nos locais de trabalho, nas ruas e ambientes públicos (e depois nos meios de comunicação).

É preciso lembrar que o futebol na Itália teve seus primeiros passos no final do século dezenove. Tomou popularidade pouco antes da primeira Grande Guerra, para se impor definitivamente na década de vinte. No momento do nascimento da Roma, na capital o futebol já era praticado a cerca de trinta anos. As equipes que possuíam boa parte da torcida romana eram Società Sportiva Lazio, Società Ginnastica Sportiva Fortitudo e a Società Sportiva Alba. Todas elas fundadas durante a época conhecida como Belos tempos (Belle époque). Estas começaram praticando várias outras modalidades de esportes para depois escolher como disciplina principal o futebol.

Entretanto, nenhuma delas pode levar o mérito de ter trazido ou iniciado o futebol em Roma. Quem foram, então, os primeiros "footballers” que existiram as margens do Tevere (rio Tibre)? A honra vai para os forasteiros vindos do norte, jovens, loiros e de gentil aspecto: os ginastas de Treviso e de Udine. As equipes Società Udinese di Scherma e Ginnastica (Sociedade Udinese de Esgrima e Ginástica) e Ginnastica di Treviso se exibiram no dia 18 de setembro de 1895 sobre o empoerado terreno do Velódromo "Roma”, um implemento localizado na via Isonzo. A assistir o match estavam o Rei, a Rainha e uma massa de consideráveis vinte mil espectadores.

Os ginastas deveriam demonstrar o "football”, um dos jogos ingleses recém importados, e que a Federação de Ginástica queria adotar como modalidade para os clássicos exercícios de ginástica potente. Os jovens de Udine eram os mesmo que um ano mais tarde conquistariam o primeiro campeonato italiano de futebol organizado pela FGCI. Os trevisanos tinham sido doutrinados pelo professor Francesco Gabrielli, que foi o primeiro a traduzir para o italiano as regras inglesas da Football Association. Como futebol verdadeiro, que respeitavam inclusive as regras do tempo, foi o praticado no Velódromo dos sócios da Società Ginnastica "Roma", a partir de novembro de 1895. Por iniciativa de alguns dirigentes da SG Roma, em 1896 se formou um outro grupo de praticantes no interior do Régio Liceo Ginnasio "Ennio Quirino Visconti": o Football Club Roma. A Ginnastica Roma, o FC Roma e uma outra formação, o Sporting Club Roma, deram vida em maio de 1899 ao primeiro campeonato de futebol da região Lazio, disputado na Villa Pamphili. Conquistaram o torneio os ginastas da "Roma”. E pode-se imaginar que jogaram um futebol vigoroso e disciplinado.

No biênio 1899-1900 equipes de matriz ginástica e poli esportiva ("Forza Coraggio”, "Gioventù Cristiana”, "Veloce Club Podistico”) se interessaram pelo futebol. E mais tarde em 1901, descobriram o novo esporte os componentes da Società Podistica "Lazio”. Na ordem cronológica a Lazio foi a sétima sociedade romana a se aproximar do futebol. Mas logo depois vem a mais importante, e quase a única que manteve vivo o jogo de 1901 até 1906.

Praticamente em contemporânea e na mais absoluta discrição, havia no entanto, nascido um clube formado por residentes britânicos e de exponentes da alta burguesia e da nobreza da capital: o Roman Cricket & Football Club. Mas aqui entramos em uma outra história, aquela que diz respeito as verdadeiras origens da Roma.

E X T R A
  • O 1º jogo em Roma

    O Diploma abaixo, certifica a Società Gimnastica Roma (mais tarde AS Roma) o título de Campeã da do primeiro torneio de futebol da região, entitulado Copa de Honra, emitido pelo Comitê Central Nacional, no dia 21 de maio de 1899.
    ☛ Certificado

    info@portaleromanista.org

© 2004 PORTALE ROMANISTA BRASIL UMA FÉ QUE NUNCA TEM FIM