Alfred Schaffer

Aquele que trouxe finalmente o primeiro título romanista italiano. Antes de ser técnico de futebol, Alfred também foi um grande atacante passando por times como o Sparta Praga e a seleção austro-húngara.

Com seu sotaque bastante carregado divertia os jogadores que tentavam se concentrar no que o mister falava. Quando chegou em Roma para substituir Guido Ara já colecionava uma longa carreira e experiência como treinador em times de renome da Alemanha, Áustria e Hungria.

Schaffer veio para a capital por intermédio de um funcionário da embaixada italiana e antes de vestir a casaca giallorossa havia treinado o Rapid Bucarest. A Roma foi sua única aventura como técnico em solo itálico.

Depois de muito empenho consegue recolocar o time de Ara nos trilhos e terminar a temporada na sétima posição. O que mais chamou a atenção foi o fato dele afirmar que para o time ser campeão italiano precisava apenas de alguns retoques, o que na época, devido às circunstancias era tido como impossível. Seu trunfo também foi que muitas equipes ainda estavam se adaptando a nova fórmula tática e com isto saiu na frente mesmo tendo em mãos um plantel de nível médio.

Entre outros era uma pessoa muito humilde e um ótimo conhecedor do futebol, capaz de solidificar jogadores levando-os ao objetivo de criar um jogo de equipe que pudesse inclusive gerar talentos.

Muito ligado ao "método", foi ele a lançar Amadei como centro-avante (mas também inclusive ele a substituir Masetti com Ippoliti ou com Rega, antes de se convencer da bravura do grande Guido). Havia uma mentalidade vencedora e o mérito do caminho campeão dos "lobos" foi da mesma forma muito de sua autoria.

Havia falado ao diretor esportivo Biancone:

"Me dê um volante e um meia atacante e eu vencer campeonato"

Uma das suas principais metodologias era fazer o time atacar com sete elementos. Schaffer havia intuito isto e fazia jogar a sua Roma em profundidade com muito contra-ataque, limitando a tal modo os riscos defensivos.

"Amadei sabe fazer muitos gols, Masetti sofrer poucos. Venceremos o campeonato"

Em dezembro de 1942 bateu as saudades de casa e sua esposa o convenceu a ir para Mônaco cuidar de uma casa de bebidas. Schaffer ainda treinaria o forte Ferencvarosi e o prestigioso Bayer de Munich antes da fatalidade em Prien, Baviera, onde morreu sobre um bombardeio na região no dia 30 de agosto de 1945 anos sessenta e dois anos de idade.

@zamacwb

 

SCHAFFER

B I O S

  • Alfred Schaffer


    Nascimento: 13/02/1893
    Local : Pozsony (Bratislava)

    Função:Técnico

    Estréia: 12/05/1940
    Genova 0-0 Roma

    TEMPORADA JGS VIT EMP DER
    1939/40 2 1 1 4
    1940/41 9 11 10 30
    1941/42 16 10 4 30
    1942/43 3 4 3 10
    TOTAL 74 30 26 18



    info@portaleromanista.org

© 2004 PORTALE ROMANISTA BRASIL UMA FÉ QUE NUNCA TEM FIM