Fulvio Bernardini

"Fuffo", como era conhecido pela torcida romanista, depois de ter colecionado treze belas e longas temporadas defendendo a camisa giallorossa, inclusive como capitão da equipe em boa parte delas, iniciou sua carreira de técnico logo quando pendurou as chuteiras justamente em sua ultima temporada como jogador em 1939 com a Roma.

Sua primeira missão foi assumir o comando técnico da Motori Alimentatori Trasformatori Elettrici Roma, familiarmente conhecida como Mater, equipe da capital que militava na terceira divisão italiana de futebol. Estréia com pé direito e leva a equipe a ficar entre os primeiros lugares do certame não subindo para segunda divisão por muito pouco. Promoção esta que viria em 1942. Durante a paralisação das competições devido a segunda guerra mundial chegou a final da Copa Cidade de Roma, após ter eliminado a Lazio. Na disputa do troféu acaba amargurando uma derrota por 4 a 1 para seu ex-clube a Roma contra o companheiro de equipe Masetti que treinava a equipe giallorossa.

No dia 27 de julho de 1944 deixa a Mater para assumir o comissariado Extraordinário do Comitê Olímpico Nacional Italiano (CONI) e mais tarde ser nominado como regente da Federação Italiana de Futebol, função que exercera juntamente com o coronel Ventura (secretário) até o dia quatro de dezembro de 1944, quando pede demissão do cargo.

Em 1949 Bernardini acerta seu retorno com a Roma desta vez para comandar a equipe do banco de reservas. Em sua chegada declarou que o módulo “Sistema” no time seria um dogma: a bola não deveria ser passada a um jogador livre, mas sim lançada no espaço livre, o que comportava uma verdadeira e real revolução em uma ambiente escravizado pelo arcaico “Método”. Infelizmente, o elenco não tinha jogadores suficientemente adaptados e a qualidade do material técnico, a ele confiado, era muito ultrapassado. Muito antes do que se imaginava, diante da falta de resultados, a fração pró metodista se acha na razão e desponta o ataque para cima do “Doutor”. A equipe ficou do seu lado, mas no final era inevitável o adeus de Bernardini. Foi uma das maiores perdas naquele momento para o clube, porque logo em seguida "Fuffo" foi para Florença antes e para Bologna depois construir uma magnifica carreira, que o levou a conquistar dois incríveis títulos italianos e voltou para capital para dirigir a Lazio e conquistar a Copa Itália.

Foi o autor de um credo futebolístico entitulado como “WM elástico”, um 3-4-3 mais precisamente 3-2-2-3. Em Florença pois em pratica sua extraordinária sabedoria tática executando um mecanismo que antecipa os temas do futebol de dimensão italiana. A Fiorentina iniciou a temporada 1955/56 posicionando na ala esquerda um atacante puro um pouco mais individualista, mas muito perigoso. Quando a equipe não estava com a posse, o time recuava a linha mediana liberando o zagueiro central que atuava como um líbero moderno. Interessante que até a teoria dos espaços livres, as quais não se baseavam em se passar a bola diretamente ao companheiro, mas sim procurar os espaços livres onde este estivesse em condições de chegar antes do adversário. Era porém convencido que no futebol a tática não era tudo e que uma equipe forte é feita sobretudo de bons pés dos jogadores. Graças as estas ideias e a então mencionada tática, que antecipa aquela utilizada pela vitoriosa seleção brasileira que conquistou a Copa do Mundo de 1958, Bernardini consegue um título italiano com os violas.

Ficou um longo período, mais precisamente entre os anos de 1965 até 1971 entre direção e comando técnico da Unione Calcio Sampdoria. Depois retornou para a Federação Italiana de Futebol onde desenvolveu um trabalho até 1977. Em seguida retornou para Genova onde assumiu o cargo de diretor geral da Sampdoria. Morreu em 1984, vítima de Esclerose lateral amiotrófica diagnosticada três anos antes: as causas da sua morte foram esclarecidas apenas vinte anos depois, enquanto na época ainda não tinham certeza do tipo de tal doença relacionada a atividade esportiva. Fulvio Bernardini, que no Brasil esteve em 1955 e que do nosso futebol era apaixonado foi sepultado no cemitério Flamini na sua cidade natal Roma, no dia 13 de janeiro de 1984.

@zamacwb

 

BERNARDINI

B I O S

  • Fulvio Bernardini


    Nascimento: 01/01/1906
    Local : Roma

    Função:Técnico

    Estréia: 11/09/1949
    Roma 2-0 Pro Patria

    TEMPORADA JGS VIT EMP DER
    1949/50 35 11 6 18
    TOTAL 35 11 6 18

    info@portaleromanista.org

© 2004 PORTALE ROMANISTA BRASIL UMA FÉ QUE NUNCA TEM FIM