Antonio Scialoja

Ficou pouquíssimo tempo frente a sociedade, pois a Itália vivia o escandaloso momento da caça aos judeus, tempo em que a estupidez ideológica alemã usurpou o raciocínio italiano e afetou outros governantes de lucidez questionável. Renato Sacerdoti tinha ascendência hebraica, o que obrigou o ex-presidente a deixar o clube, visto a forte pressão vindo do cabeção lustrado Mussoline. Sim ele de fato estabeleceu uma lei racista a qual determinava que frente a qualquer cargo de relevância dentro da Itália, não poderia assumir quem tivesse descendência judia. Iniciava assim o período vergonhoso da história humana que resultou em um dos piores desastres daquela época. Genocídios já aconteciam em larga escala, anos antes, como o armênio em 1915, onde os turcos assassinaram um milhão e meio, e o que viria em seguida, seria em escalas devastadoras e proporções aterrorizantes.

Antonio Scialoja teve então que assumir as pressas a presidência do clube como um tapa buraco. Antonio, era neto do famoso senador que levava o mesmo nome e que na época áurea do futebol estudou em Londres e quando retornou a Roma, juntamente com outros amigos que conheceu na Inglaterra participou da fundação do Roman Football Club, o qual o outro filho, Vittorio exercia o cargo de presidente do clube quando existiu a fusão proposta por Italo Foschi.

Formou-se em direito. Em 1911 tornou-se professor de direito comercial na Universidade de Siena. Mais tarde ministrou a cadeira de docente de direito marítimo no Instituto Superior de Ciências Econômicas e Comerciais de Nápoles em 1922. Foi fundador e presidente de sociedades do setor privado e público, entre elas a Veca industria de calçados. Participou do conselho de várias empresas públicas entre ferrovia, gas e eletricidade sediadas na capital. No dia 24 de janeiro de 1929, depois de 3 mandatos de deputado, e seis anos de legislatura, torna-se senador.

Além da sua vasta experiência frente a presidência de inúmeras entidades do setor publico, privado e social, Antonio já acumulava algumas ordens na bagagem, como a de Cavaleiro da Ordem da Coroa italiana no dia 31 de dezembro de 1905. Comendador da ordem da Coroa italiana em 1924 e também outras condecorações como Cavaleiro da ordem em 1935 e Oficial da Ordem em 1940.

Não era um aficcionado pelo futebol como seu antecessor, Sacerdoti, mas tinha muita bagagem administrativa, como percebemos no seu vasto currículo, dentro de diversas áreas, o que dava a ele um voto de confiança para resolver a situação de forma mais rápida, sem tumultuar muito o ambiente, que já vivia a polêmica fulga dos argentinos Guaita, Scopelli e Stagnaro, que 48 horas antes do inicio da temporada voltaram as pressas para o seu país de origem com medo de serem convocados para a guerra da Etiópia em função da cidadania italiana adquirida.

Mesmo assim provou que para ministrar suas funções não havia necessidade de ser um expert no assunto, tanto é que o time não foi campeão na sua gestão por um mísero ponto, perdendo o titulo para o Bologna que tinha uma vitória a menos. Foram 16 vitórias, sete empates e sete derrotas no seu mandato. Mesmo se apontadas por Renato Sacerdoti, manteve as contratações de Monzeglio e Cattaneo além da vinda do grande lateral Luigi Allemandi.

Quando a Itália se tornou republica, Antonio acabou perdendo seus direitos e títulos políticos, através de uma sanção da corte de justiça italiana em 1944, por se referirem ao governo de Benito Mussolini, medida que afetaria não apenas ele, mas a todos envolvidos naquele período de regime.

Impedido de participar do mundo político dentro do país e cargos públicos, Scialoja se refugia dedicando-se a vida aos estudos científicos na Academia Nacional Lincei, tornando-se sócio federal no dia 15 de julho de 1948 e as salas de aulas, como no passado.

Faleceu na capital no dia 30 de setembro de 1962, aos oitenta e dois anos de idade.

@zamacwb

 

SCIALOJA

B I O S

  • Antonio Scialoja


    Nascimento: 19/11/1879
    Cidade : Roma

    Função: Presidente


    Mandato: 04/06/1935 - 16/11/1935

    TEMPORADA POS JGS VIT EMP DER
    1935/36 30 16 7 7
    TOTAL 30 16 7 7


    Balanço Final:

    Vitórias: 16
    Empates: 7
    Derrotas: 7

    Total: 30 jogos

    info@portaleromanista.org

© 2004 PORTALE ROMANISTA BRASIL UMA FÉ QUE NUNCA TEM FIM