Italo Foschi

O lendário pai e grande artíficie do projeto Associazioni Sportiva Roma, fundador e primeiro presidente do maior e mais querido clube da capital italiana.

Com os seus óculos "pinz-nez", estatura baixa, magro dono de um irremediável vício, aquele de levar sempre consigo a sua cigarrete e tragar uns cigarros. Sempre muito bem alinhado, usava o tradicional colete, símbolo de uma época e que entrou pra sempre para o vestuário masculino, terno preto ao melhor estilo do inglês elegante. Homem de muita cultura, conservador, de antigos princípios, e política afinada.

Os laziales se cagavam de medo dele na época. Um pioneiro importantíssimo, porque tinha uma ambição a todo custo de fazer forte o futebol da capital e para isso precisava unir as forças da cidade.

Todos aceitaram sua idéia, mas uma das equipes queria que o nome não fosse Roma e que permanecesse o deles. Mas Foschi não cedeu e tão importante quanto representar bem a sua cidade era ter o nome dela e então surgiu a Roma, dona até hoje da soberania em títulos, da maioria das vitórias, das maiores goleadas e de tudo o que se quiser colocar a mesa quando o assunto é futebol proveniente da capital.

"Chegado a um acordo com o Administrador Delegado On. Igliori e sentido o parecer do Presidente Honorário Com. Gugliemotti, concretizei as normas executivas para a Constituição da Associação Esportiva Roma […]"

Italo Foschi, primeiro presidente da A.S. Roma, Roma, 22 de julho de 1927)

Filho de Dona Maria Addolorata e do professor Emanuele Foschi, seu irmão Vittorugo se torna engenheiro e professor universitário de mecânica aplicada da famosa universidade romana Sapienza, enquanto do matrimônio da irmã Itália com Mauro Zingarelli nasce Italo Zingarelli, que mais tarde se tornaria produtor cinematográfico e diretor.

Esportista praticante (luta greco-romana em particular, mas também esgrima e futebol), se ligou ao regime fascista depois de ter militado a primeira grande guerra mundial nas fileiras do interventismo e nacionalismo, sofrendo lesões em várias ocasiões, enfrentando numerosas batalhas sofrendo inclusive prisões antes do regime.

O futebol foi, entretanto, a sua paixão dominante e participou da fundação seja da Sambenedettese (por fusão de outras três sociedades em 1923) que da Società Sportiva Giuliese, primeira de futebol em Giulianova (1924).

Escolhido pelo jornalista Roberto Farinacci em 1923 como Secretário federal da Urbe, foi entre os financiadores e diretores do semanal dos GUF (Grupo Universitário Fascista) fundado em 19 de julho de 1924 e se coloca em primeira pessoa na campanha anti massônica conduzida naquele período.

Na capital, porém, se dedicou profundamente no desenvolvimento esportivo da federação municipal. Continuou ocupando-se assiduamente do futebol contribuindo, como representante do Comitê Olímpico Nacional Italiano, o CONI, na elaboração da Carta de Viareggio juntamente com o bolonhês Paolo Graziani e o presidente dos árbitros Giovanni Mauro.

Publicado no dia 2 de agosto de 1926, o documento redesenhou toda a organização futebolística restruturando a Federação Italiana de Futebol FIGC e o campeonato (reunião das duas ligas, Norte e Sul, em uma única Divisão Nacional), introduzindo o profissionalismo, o mercado de futebol e a regulamentação dos estrangeiros (dando assim origem ao fenômeno dos oriundos).

A restruturação pedida na Carta de Viareggio contribuiu ulteriormente a outro fenômeno, já iniciado com o advento do fascismo, das fusões societárias para poder formar equipes em condições de competir a nível nacional (como ocorre em Nápoles, Florença, Bari, Taranto, Genova).

Em Roma, o On. Foschi se torna presidente da Sociedade Fascista Fortitudo Pro Roma e na primavera de 1927 inicou com a Alba Aldace do On. Ulisse Igliori e com o Roman Football Club do advogado Vittorio Scialoja as negociações para unir a três equipes menores da capital: no dia 7 de junho em Roma, em um edifício adquirido pela Família Foschi em 1911, situado a Via Forlì número 16 (adjacente a Viale Regina Elena), foi ratificado o acordo que dá vida a Associação Esportiva Roma da qual é escolhido para primeiro presidente o próprio Italo Foschi.

Deixada no dia 17 de dezembro de 1926 o cargo de federal, em 1928 deve renunciar a presidência da Roma por ter sido nomeado membro do diretório federal de La Spezia. A carreira política lhe reservou encargos de prefeito em Macerata, Pola (1931-1933, onde se encontrou com o Bispo de Trieste Luigi Fogàr para a questão linguística), Taranto (1934-1936), Treviso, Trento (1939-1943) e do dia 24 de setembro ao dia 20 de outubro de 1943, de comissário de Belluno. Após isto fica a disposição do Ministério do Interior e em 1944 se aposenta.

Após a Liberação foi condenado por ter servido a Republica Social Italiana. Infelizmente não pode ficar muito tempo no comando do time. Era tão aficcionado pela sua criatura, que no dia 20 de março de 1949, depois de saber que a Roma estava perdendo para a Sampdoria, teve uma parada cardíaca e morreu de desgosto assistindo um jogo da Lazio.

Até hoje ninguém sabe qual foi o golpe pior para o seu coração.

@zamacwb

 

FOSCHI

B I O S

  • Italo Foschi


    Nascimento: 7/3/1884
    Cidade : Corropoli

    Função: Presidente


    Mandato: 22/07/1927 - 28/03/1928

    TEMPORADA POS JGS VIT EMP DER
    1927/28 20 6 6 8
    1928/29 30 17 6 7
    TOTAL 50 23 12 15


    Conquistas:

    1927/28: Copa CONI


    Balanço Final:

    Vitórias: 23
    Empates: 12
    Derrotas: 15

    Total: 50 jogos

    info@portaleromanista.org

© 2004 PORTALE ROMANISTA BRASIL UMA FÉ QUE NUNCA TEM FIM