Fosco Risorti

Se formou profissionalmente no SAFFA Fucecchio, equipe amadora próximo sua cidade de origem aos dezesseis anos de idade em 1937. Na temporada seguinte passa ao Savoia para disputar a Série C e lá acumula 69 presenças e sessenta e seis gols sofridos. Com o grande retrospecto e possivelmente aconselhado por Fulvio Bernardini, que treinava a Matter pela terceira divisão italiana e teve a possibilidade de vê-lo jogar como adversário, chega a capital em 1941 pela cifra de 80 mil velhas liras italianas, com a missão de substituir Masetti, que já estava em vias de se aposentar.

Tinha um físico excepcional, debaixo da trave era osso duro de roer e suas saídas muito bem orquestradas. Seu único defeito estava na concentração e desta forma sofre alguns gols difíceis de engolir, como aquele antes de vir para a Roma em 1938/39 que custou a promoção do Savoia a Série B: No curso da partida decisiva contra o Mater treinado por Fulvio Bernardini, de fato o goleiro toscano é enganado inacreditavelmente por um chute de distancia sideral de Longobardi, devido ao desvio por uma infeliz pedra que estava na trajetória da bola.

"O Savoia sufoca a Mater na sua área não satisfeita do trago que lhe abre o caminho do sucesso e, a poucas rodadas do final da promoção. Sobra uma bola nos pés de Longobardi, que chuta lá das nuvens, para afastar, em direção a Risorti. Um salto, Fosco mergulha em direção e uma pedra assassina muda a trajetória enganando Risorti, em terra batido. Fulvio Bernardini (técnico da Mater), como um gran signore, pede desculpas a Colombari (técnico do Savioa) e dá um croque em Risorti"
Savoia, história e lenda de Oncino a Giraud


Risorti se recupera logo daquele incidente de percurso, porém sua jovem idade desaconselha a diretoria romanista a colocá-lo em prática porém sob a asa de Guido Masetti aos poucos vai se adaptando a realidade da Série A. Durante a segunda guerra mundial em 1944 joga pelo Montecatini para ganhar peso experiência.

A sublinhar também sua bravura eram sua corajosas saídas nos pés dos adversários evitando os gols. Era muito querido pela torcida romanista e desta forma retribuía o carinho com boas exibições defendendo o gol giallorosso a altura:

"Classe e modéstia, simpático anti-herói dos anos quarenta. Conhecido pelas excepcionais acrobacias que possuía"
Sandro Ciotti


Depois do fim da segunda guerra mundial, a posição de titular é dele, mesmo porque demonstra ser um goleiro seguro e confiável, mesmo se um pouco lunático. Era famoso seus berros (que para muitos eram os mesmos de Tarzan) quando saía do gol e chamava a bola pra si. Gritava tao forte que era possível escutar da tribuna.

Fica na Roma até praticamente o final da carreira, vivendo o desastroso rebaixamento a Série B em 1950 assumindo amor pelas cores do clube e enfrentando a situação de cabeça erguida, em um momento que se vivia enormes problemas financeiros, ajudando desta maneira a conduzir o time para a primeira divisão no ano seguinte.

Em 1954 tem uma rápida passagem pelo B.P.D Colleferro onde inclusive se torna treinador nas temporadas 1956/57 e 1966/67 ambas pela Série D italiana, sua ultima aparição no futebol.

@zamacwb

 

RISORTI

B I O S
  • Fosco Risorti


    Nascimento: 09/09/1921
    Cidade : Ponte Cappiano
    Função: Goleiro

    Estréia : 29/03/1942
    Roma 2-0 Atalanta

    Temporadas Pres Gols Sofridos
    1941/42 1 0
    1942/43 1 3
    1945/46 29 51
    1946/47 33 48
    1947/48 39 67
    1948/49 29 49
    1949/50 26 42
    1950/51 14 8
    1951/52 10 11
    Total 182 279

    info@portaleromanista.org

© 2004 PORTALE ROMANISTA BRASIL UMA FÉ QUE NUNCA TEM FIM