Sergio Andreoli

Iniciou sua carreira no Perugia com apenas quinze anos de idade disputando a Série C em 1937.

Em 1941, depois do bom desempenho apresentado nos anos anteriores com o time da Umbria, a Roma decide trazê-lo a título de empréstimo por 25 mil liras para a capital afim de compor a zaga romanista sob pedido do próprio treinador Alfred Schaffer.

Agrada rapidamente o técnico húngaro pela maneira que enfrenta os adversários e contando com a infelicidade de Acerbi que se lesiona na nona rodada do campeonato se torna titular para não mais deixar a posição então.

Sua exuberância física e o incansável espírito de batalha com o qual contrasta seus adversários casam perfeitamente com o estilo reflexivo do outro companheiro de linha lateral Brunella e desta forma consentem a Roma amalgamar uma das melhores linhas defensivas daquela temporada dando proteção e tranquilidade ao goleiro Masetti.

Em um referendum do jornal Il Littoriale da época no final da temporada para estabelecer os melhores jogadores do campeonato por posição, ficou em quarto lugar, resultado extremamente satisfatório para um atleta que até então era desconhecido fruto do seus desempenho inicial.

A continuidade de rendimento e o carisma pela camisa, lhe consentem de blindar a titularidade e um espaço no coração dos romanistas que enxerga nele a conduta testaccina, marca de fabrica do seu jogo.

"Era um que dormia com a camisa da Roma sobre o travesseiro"
Ezio De Cesari

Para muitos er burino, mas que fique bem claro: pelo menos naquela época. Potência e acrobacia eram os legados do lateral Sérgio Andreoli. Entre um dos melhores laterais da ala esquerda já posicionados da Roma.

Muito jovem e já campeão italiano com o time giallorosso em 1941/42, jogou durante toda a década de quarenta. Se tornou capitão do time e um cobrador de pênais infalíveis (ou quase); em uma daquelas tardes de cão explodiu uma cobrança na trave, erro que poderia custar a sua equipe o rebaixamento a Série B (mas de resto um erro anos antes poderia ter custado o primeiro título italiano). Saiu de campo em lágrimas e arrasado. E naquela tarde toda Roma era em pranto profundo. Teve que se improvisar no gol depois de ver o seu goleiro ser expulso. Durante o jogo Atalanta 3-2 Roma, em novembro de 1949, apenas para citar mais uma sua, substitui Benedetti "fora de uso". O Corriere dello Sport o imortalizou na primeira página, na tentativa de evitar o segundo gol marcado por Busnelli. Naquela mesma temporada no dia 3 de dezembro de 1948 recebeu medalha de ouro.

Entre outros apelidos: "Mastino" (mastin) e "faccio-tutto-io" (faço tudo eu). Uma presença na seleção italiana juvenil, no dia 6 de janeiro de 1943.

Uma curiosidade: durante a segunda guerra mundial, na capital era disputado o "Torneio de Roma"; um quadrangular em que participavam inclusive Lazio, Mater e Tirrena. Andreoli morava em Capranica que ficava a cinquenta quilômetros de Roma, o que o impediu de participar de muitos jogos devido a difícil situação bélica da região. Quando cinquenta quilômetros poderiam parecer mil! Sobretudo para um ciclista obstinado. Extraído do jornal Corriere dello Sport de 1949, um comentário de um torcedor:

"Er capitano dà er fritto sur campo"

Andreoli que de Capranica se transferiu para Viterbo, treinou equipes da região (depois de ter concluído sua carreira na Romulea, "passando" por Reggio Calabria), mas se empenhou inclusive na administração do hospital de Viterbo. Um modelo de caráter e um dos mitos de Francesco Totti.

Uma partida pela Copa Itália e quatorze pelo Campeonato Romano... não obstante a então falada segunda guerra mundial.

Sergio Andreoli faleceu aos oitenta anos de idade no dia 18 de maio de 2002 na cidade de Viterbo.

@zamacwb

10   gols
 

ANDREOLI

B I O S
  • Sergio Andreoli


    Nascimento: 03/05/1922
    Cidade : Capranica (Frascati)

    Função: Lateral Esquerdo

    Estréia : 04/01/1942
    Liguria 0-3 Roma

    Temporada  Pres Gols
    1941/42 20 -
    1942/43 20 1
    1945/46 26 1
    1946/47 38 2
    1947/48 35 1
    1948/49 36 5
    1949/50 30 -
    Total 205 10


    info@portaleromanista.org

© 2004 PORTALE ROMANISTA BRASIL UMA FÉ QUE NUNCA TEM FIM