Stefano Ferrari

Criado nas divisões de base do Seregno, clube fundado em 1913 que leva o mesmo nome da cidade lombarda no norte da Itália, iniciou sua carreira em 1927 e vestindo a camisa do time principal em 1938 disputando a Série C italiana onde fica até 1941, antes de passar para o Milan.

Com pouca oportunidade no time rossonero acabou selando acordo com a Fiorentina em 1942 o que não surtiu muitos resultados ao seu favor pois também ficou encostado na reserva do time se obrigando mais uma vez se transferir para o Brescia na temporada seguinte para aí sim estrear finalmente na primeira divisão italiana.

No verão de 1946 a diretoria romanista se interessa pelo jovem bomber de vinte e cinco anos e fecha acordo com o Brescia pelo passe do atacante.

Ala veloz e insidioso, dotado de um arremate potente tinha também a qualidade de bom cabeceador, além de se posicionar bem em busca do gol. No entanto não chega em um bom momento na capital e encontra um elenco perdido e pobre tecnicamente.

Nas duas temporadas que vestiu a camisa giallorossa foi a campo 47 vezes, marcando treze gols entre o calor e o entusiasmo da torcida romanista. O jornal da capital Corriere dello Sport citou o jogador lombardo assim em uma das suas apresentações:

“Ferrari, de estilo agradável e toque de bola seguro, as suas empolgantes fugas”

Na temporada 1948/49 retorna ao clube que o lançou, o Seregno para disputar a Série B italiana, onde coleciona sua melhor marca em presenças dentro de um clube durante o ano, 35 e oito gols. No ano seguinte passa ao Carbosarda da cidade sardegna de Carbonia, onde vai a campo 49 vezes marcando outros oito gols antes de encerrar definitivamente com o futebol em 1955.

@zamacwb

47   presenças
13   gols
 

FERRARI

B I O S
  • Stefano Ferrari


    Nascimento: 11/01/1921
    Cidade : Milão
    Função: Centro-avante/Ala

    Estréia : 24/11/1946
    Inter 0-0 Roma

    Temporada Pres Gols
    1946/47 20 7
    1947/48 27 6
    Total 47 13

    info@portaleromanista.org

© 2004 PORTALE ROMANISTA BRASIL UMA FÉ QUE NUNCA TEM FIM