Renzo Merlin

Inicia sua aventura com o futebol no Circolo Sportivo Pirelli, uma das tantas equipes amadoras proveniente de grêmios de grandes empresas que serviam de recreação para os funcionários no pós trabalho que caracterizaram o futebol italiano a cavalo durante a segunda guerra mundial.

Após o conflito bélico, recomeça com a Società Sportiva Dilettantistica Pro Sesto desta vez como profissional disputando a Série B italiana com o time de Sesto San Giovanni onde obtém 10 presenças e 3 gols. Na temporada 1946/47 passa para o Taranto Football Club 1927 e pela mesma segunda divisão obtém ótimo resultados indo a campo trinta e dua vezes e marcando doze gols.

A Unione Sportiva Salernitana 1919 se interessa pelo ala e em 1947 Renzo acerta com os granadas onde fica até o final da temporada acumulando 21 jogos e 10 gols. No ano seguinte sela acordo com a Associazione Sportiva Lucchese Libertas 1905 onde conquista excelente continuidade com 38 jogos e nove gols com a camisa “ross-near” do time da cidade de Lucca.

Quando a diretoria confirmou a contratação de Merlin no verão de 1949 (a primeira por sinal) para o novo técnico Fulvio Bernardini junto ao Lucchese, na chegada do jogador a capital apresentou-o aos goleiros Albani e Risorti e ambos disseram: “o conhecemos por… dura experiência”. “Faz dançar uma rumba!”, gritavam os torcedores romanistas quando partia pra cima, culminado ou quase sempre com o clássico cruzamento. Ala dotado de boa técnica e chute discreto, sua melhor característica estava de fato relacionada a velocidade nos corredores laterais. Não tinha freio e deixava para trás quem se aventurasse a para-lo com um turbilhão contínuo o que era de grande valia para a equipe.

Merlin disputa um ótimo campeonato na sua primeira aventura romanista, mesmo tendo que viver o caos técnico no qual atravessava a Roma depois de um dissídio entre o técnico Bernardini e o presidente Sacerdoti. Na segunda temporada com a chegada de Sundqvist seu espaço fica reduzido, mas quando é chamado para o serviço fornece um valido aporte no qual, porém, não é o suficiente para evitar a desastrosa queda para a segunda divisão.

Permaneceria na Roma por mais duas temporadas, em um ritmo menor. A idade começava a acusar o golpe e com o plano de reestruturação técnica do presidente Renato Sacerdoti, sua saída era eminente. Merlin também entende que sua carreira nos máximo níveis do futebol italiano haveria chegado ao fim e desta forma acaba retornando para a Toscana depois de assinar acordo com o Empoli Football Club para disputar a Série C. Disputa duas temporadas com os “azzurri”, vai a campo 66 vezes e marca 13 gols antes de passar em 1955 a outro time toscano, a Società Sportiva Robur Siena.

Em se tratando da terceira divisão italiana, Renzo podia realmente se dar ao luxo de grande prestígio, pois o futebol exigido na categoria equilibrava as contas no final e mesmo com os trinta e três anos de idade pode ainda sim disputar mais duas temporadas acumulando 38 jogos e 17 gols, sua melhora marca de tentos em toda a carreira com a camisa “bianconera” Robur. Encerra sua carreira de jogador em 1957 que culmina também com o inicio da de técnico no mesmo Siena. Voltaria a treinar novamente apenas em 1963 depois de acertar com o Frosinone Calcio comandando o time “gialloazzurri” por um ano. Em 1968 sela um longo contrato de três anos com a Associazione Sportiva Viterbese Castrense.

Na temporada 1971/72 passa a treinar a Associazione Sportiva Alatri, outro time da região do Lazio o qual fica até o final do ano esportivo. Em 1973 assume o comando técnico da Società Sportiva Dilettantistica Cynthia 1920, equipe de Genzano de Roma em que faz seu ultimo trabalho até se aposentar dos gramados definitivamente dois anos depois em 1975.

@zamacwb

68   presenças
14   gols
 

MERLIN

B I O S
  • Renzo Merlin


    Nascimento: 27/09/1923
    Cidade : Milano

    Função: Meia/Ala

    Estréia : 11/09/1949
    Roma 2-0 Pro Patria

    Temporadas Pres Gols
    1949/50 25 6
    1950/51 16 5
    1951/52 19 2
    1952/53 8 1
    Total 68 14

    info@portaleromanista.org

© 2004 PORTALE ROMANISTA BRASIL UMA FÉ QUE NUNCA TEM FIM