Luigi Brunella

Se formou nas divisões de base do Vigevanesi e na Lomellina estreia profissionalmente em 1932 com dezessete anos pela Série B onde permanece at'e 1935 ao se transferir para o Torino. Com os granadas Brunella disputa quatro temporadas das quais duas como titular fixo indo a campo em ambos casos em todos os trinta encontros do campeonato em programa, conquistando inclusive a Copa Italia em 1935/36.

Era um verdadeiro cavalheiro em campo e se vangloriou do fato de nunca jamais ter atingido o adversário de maneira anti-esportiva ou incorretamente, confirmam os observadores da época. Estilo e oportunismo. De escola torinista, fora, provavelmente, o lateral mais dotado da história antiga da Roma. Algo do tipo Nilton Santos, aquele que no Brasil chamavam de A enciclopédia. Calmo, jamais amedrontado, formou com Sergio Andreoli uma dupla memorável, no qual em 1942 conquistou o primeiro campeonato italiano giallorosso.

Tinha um repertório sortido com intervenções dosadas, tranquilas e oportunistas. E pensar que os granadas o cederam porque pensaram que ele tinha se lesionado sério no joelho. Pagaram inclusive as despesas para sua reabilitação.

A primeira temporada com a camisa romanista de Brunella é muito difícil. Ara, fiel aos seus preceitos da escola piemontesa, não consegue enxergar o estilo polido do jogador e prefere confiar nas conservadoras prestações do velho e bom Gadaldi, ótimo técnico, mas quando ocorre prefere usar as maneiras mais conservadoras.

Com a chegada de Schaffer, as coisas ficam mais claras e o técnico húngaro convence que o melhor zagueiro que dispõe está no banco de reservas. O seu extraordinário senso de previsão, a maneira leve e limpa com a qual utiliza para interceptar a bola e expedi-la aos companheiros com elegância e sabedoria são um dos segredos da extraordinária defesa armada do treinador Alfred que ao valorizar as prestações do soberano Guido Masetti levam a equipe a conquistar o primeiro título italiano romanista.

A testemunhar seu extraordinário é inquestionável valor, é Pietro Rava, lateral da Itália da Copa do Mundo de 1938, o qual teve a possibilidade de jogar com ele, quando Brunella teve que retornar ao norte, durante o período da segunda guerra mundial para ficar com família.

Os dois formam uma grande dupla a qual a bravura se destaca no sistema adotado naquela temporada pela Juventus. O pr'oprio Rava afirma de ter encontrado a maravilha com o companheiro de equipe que lhe agradou continuar fazendo-o, mas que não fora possível, pois com. Final da guerra Brunella volta para a Roma onde joga com grande desenvoltura por muitas temporadas, antes de pendurar as chuteiras em 1948.

Depois da aposentadoria abriu um bar na viale Libia, mas em 1948, com trinta e quatro anos, é convocado para atuar como jogador-treinador, e ajudar o time a sair da situação precária que ameaçava o time ao rebaixamento, feito alcançado graças também a um gol seu. Durante três anos dividiu o comando do time com Fulvio Bernardini e Imre Senkey. Com resultados decepcionantes, a melhor classificação que conseguira como técnico foi a décima quarta posição.

Durante a temporada do primeiro título italiano da Roma foi um dos poucos jogadores junto com Amadei e Coscia, a não saltar nem mesmo uma partida do campeonato. Como descobridor de talentos trouxe Capello para a Roma. Teve uma presença da seleção italiana B e jogou treze vezes pela Copa Itália.

Luigi Brunella externou seu carinho pela cidade eterna e pelas cores da Roma. Continuou vivendo na capital até o dia do seu falecimento, 23 de maio de 1993 aos setenta e nove anos de idade.

@zamacwb

1   gols
 

BRUNELLA

B I O S
  • Luigi Brunella


    Nascimento: 14/04/1914
    Cidade : Garlaasso

    Função: Zagueiro

    Estréia : 29/01/1939
    Bari 0-0 Roma

    Temporadas Pres Gols
    1939/40 5 -
    1940/41 27 -
    1941/42 30 -
    1942/43 30 -
    1945/46 21 -
    1946/47 33 -
    1947/48 12 1
    Total 158 1

    info@portaleromanista.org

© 2004 PORTALE ROMANISTA BRASIL UMA FÉ QUE NUNCA TEM FIM