Oreste Benatti

Mais uma boa contratação do primeiro ano de Sacerdoti a presidência da Roma. Ala dotado de ótima técnica de base e boa velocidade, inicia sua carreira na Reggiana, colocando-se em evidência como um jogador de rendimento extremamente confiável. Sua fama vale logo um interesse giallorosso e no verão de 1928 desembarca na capital. Tudo isto porque a sociedade procurava melhorar o rendimento técnico da equipe já que no ano de nascimento teve dificuldades para se firmar no campeonato.

Nas duas primeiras temporadas as sombras do Coliseu o meia atacante de Mirandola joga sempre com bons índices de rendimento, chegando a um passo da excelência no returno, quando coleciona 9 gols e se revela um ótimo trampolim de lançamentos para Sigghefrido Volk.

A habilidade no drible e a velocidade nos movimentos, o fazem ganhar o apelido de "sorcetto" (ratinho) sempre da inconfundível torcida romanista. Surpreendentemente no final daquela temporada a diretoria giallorossa decide cedê-lo e o motivo desta escolha seria aquele de buscar alguém como Costantino, o Reuccio de Cortemaggiore, pelo qual se gastou uma fortuna, de direito, para vestir a camisa de titular.

Ele não desanima e faz uma boa temporada na série inferior com o Lecce convencendo o Napoli de dar a ele uma nova cchance. Infelizmente, o melhor de si mesmo, Benatti já havia dado.

Depois de uma série de temporadas de altos e baixos, em 1933/34 seu rendimento cai muito, convencendo a diretoria partenopea a deixa-lo voltar para sua cidade de origem, precisamente Bagnoli, onde Benatti gasta suas últimas migalhas de carreira que tinham uma outra conotação muito diferente daquela que teve.

Il Messagero:

"Fila que é uma maravilha!”

@zamacwb

60   presenças
11   gols
 

BENATTI

B I O S
  • Oreste Benatti


    Nascimento: 11/4/1906
    Cidade : Mirandola

    Função: Atacante

    Estréia : 30/9/1928
    Roma 4-1 Legnano

    Temporadas Pres Gols
    1928/29 30 2
    1929/30 30 9
    Total 60 11

    info@portaleromanista.org

© 2004 PORTALE ROMANISTA BRASIL UMA FÉ QUE NUNCA TEM FIM